quarta-feira, 1 de março de 2017

Como as cartas de amor

*

Por Germano Xavier


Aquela música sempre a emocionava. Assim como a Nina Simone... tinha a mística de fazer estremecer a própria Vida. Escreveu para ele, tendo o cuidado de enviar o vídeo da tal música na esperança de que ao ouvi-la ele sentisse algo parecido com beleza, que quase chega a ser paz. Talvez algo entre embevecimento e melancolia. E nesse instante, estariam próximos, ela sabia. Mesmo que fosse apenas uma distração, gostava de pensar assim.

Não era muito, ela sabia. Era só mais uma das muitas "coisas" inúteis que lhe dava e das quais ele nunca precisou e nem dava sinal de ter gostado. E não eram coisas apenas. Eram pensamentos, sentimentos, resistência, saudade. Eram ela, em suma. Talvez fosse ela que precisasse dar-se através dos vários pretextos e textos que para ela eram amor.

Cada notificação de que ele estivera presente manisfestada na falta de economia de palavras dela, em seu excesso de "enviados" de toda espécie eram vestígios de sua agonia solitária, insolúvel, hedionda. Fizera a pergunta. Simples e direta como ela não costumava ser. Temendo a resposta (ou a falta dela) como se teme a falta de motivos para viver, esperou. Talvez para sempre. Mas as coisas não deixam de ser apenas porque não as mencionamos. Ou porque não as sabemos. Elas simplesmente são ou não são. Mas estão lá. Em algum lugar na indissolução.

Esperou. Ouviu suas batidas cardíacas. Detestava a forma como seu corpo a denunciava. Em tudo. Contou o tempo como se registra os sentires, os cantares, as torturas. Temia não haver ar no minuto seguinte, antes do chão abrir-se. Porque o chão se abriria, ela sabia. Assim que as palavras ou silêncios subvertessem as realidades, devolvendo a todos ao único estado constante de toda a Vida: a Dúvida.

E eu te entristeço e você já deu tantas demonstrações de que não quer levar essa dor comigo e que não quer me ajudar a atravessar a vida, e eu gostaria de ser um consolo, aquela voz que leva um riso, a mão que mostra flores, a dissimulação do real de que todos precisam. Mas sou antes a voz da razão sem fé, da má notícia sem solução, do mal cheiro do mundo, a mão que mostra o sangue derramado em nossos olhos. E imagino que sente dó porque o amor é um bálsamo contraditório que a alguns cura e a outros tortura. Somos humanos porque não aceitamos os fatos, por isso inventamos sonhos, paraísos e arte (e o amor?). Lá no fim, depois do naufrágio, submergida, direi "o único amor que conheci não me conheceu", e nem pude prová-lo. E a única "arte que domino" é a de ser rastejante e patética, tal como as cartas de amor: ridícula!


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/48-squares-346483655

Nenhum comentário: