sábado, 18 de fevereiro de 2017

Salvos e íntimos como se nunca



por Germano Xavier



A porta já tinha sido fechada há uns quinze minutos. Eles, ainda em silêncio, olhavam-se sem saber o que fazer e sem saber o que queriam fazer. Na verdade, só queriam ficar ali na presença uníssona do outro, sabendo o outro, buscando o que já sabiam, procurando os velhos traços, os mesmos gestos, as repetidas manias e alguma dissonância do que sabiam desde sempre.

E saber era tudo o que tinham.

Sabiam mais do que deviam. Sabiam mais do que queriam. Sabiam tudo, mesmo quando não ouviam nada. Pensavam, ambos, na importância das decisões dos próximos minutos, no efeito do silêncio e da fala, do olhar e do tocar. Mas não agiam. Estavam paralisados e dominados pelo sufocamento do tempo. Não haviam previsto o imprevisto. O quarto onde se encontravam afastava-os do mundo e lançava-os num terreno delicado, completamente incerto, onde tudo poderia acontecer. Inclusive nada.

A voz presa dos dois contrastava com a torrente de pensamentos e sentimentos desconcertantes que a custo controlavam. Não sabiam se se fugiam, se se falavam ou se se agrediam em seus corpos como furiosos amantes. Um não sabia o que o outro queria, por isso mesmo não sabiam o que queriam. Estavam ambos presos ao incalculável da vontade alheia e isso os desprovia de suas próprias vontades.

Lutavam para desvencilharem-se do constrangimento insuportável do silêncio cavernoso e de seus medos infantis. Estavam lá por vontade própria, disso não duvidavam. Então, por que pareciam encurralados em seus corpos e incapacitados em suas faculdades mentais? Estavam inteiramente perdidos, mais uma vez entregues ao acaso das vontades imprevisíveis, do absoluto desconforto da intimidade forçada, do ridículo e do medo.

Mas havia livros. Sim, os dois haviam levado livros. Talvez prevendo uma pequena catástrofe como aquela. E os livros, ambos sabiam, sempre os salvaria de qualquer situação difícil. Os livros são os heróis improváveis, mas sempre infalíveis. Livro é salvação. Fato em que os dois acreditavam piamente.

Sem dizer palavra, ele pegou um livro e abriu numa página previamente marcada. Leram em silêncio. De repente, a mágica do reconhecimento se fez e eram os mesmos de muitos anos atrás. Tão simples, tão livres e autênticos quanto aquele livro que os resgatava. Estavam salvos e íntimos como se nunca tivessem se afastado por um dia ou uma década. Sentiam-se confortáveis e acolhidos na história do outro, na eternidade de seus saberes, dores e dúvidas. Sabiam o que eram e o que sempre seriam juntos.

Poetas.


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/drinking-alone-20576515

Um comentário:

Nadine Granad disse...

... lindo verbete!!!

Beijos =)