quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

As flores da vida


Por Germano Xavier

XVI

Eu trago boas novas, amigo leitor! Hoje foi um dia muito especial para mim, mas muito especial mesmo. A essência das coisas é mesmo invisível aos olhos. Foi nesta tarde de sol, de ventos lenientes. Há muito tenho dito que acredito em "Mundos", mas até a prezada página, ainda não revelei nenhuma faceta destes "lugares". Creio que chegou a hora. Desci escada, bons degraus. E era como seguir a estrada dos Deuses, os da Sabedoria, da Honestidade, da Verdade... Eu tinha certeza (e ainda tenho) da existência de "Mundos" onde olhamos o outro como um ser igual, com as mesmas possibilidades e defeitos, sem diferenças. O mais interessante de tudo é que todo este "Mundo" estava representado pela figura de uma mulher. Como ela, sei que há várias! Serás tu? Subimos escadas, bons degraus. Bons degraus... A idade nas suas costas não fazia com que ela desistisse ou hesitasse diante da subida, bastante íngreme. Seria o Arco-Íris que estaria no cume? Algum tesouro? O que fazia o caminhar daquela senhora? Curiosidade? Poções de mistérios... Eu trago boas novas, meus saudosos! São "pássaros coloridos", que revelam liberdade. É o novo ano que nasceu, feito criança indefesa, sem influências das mais ferozes máquinas abstratas da sociedade. É a esperança que renasce na poesia do aprendizado, do acerto após algum tropeço. É a consciência de que devemos ler, criar, refletir, sorrir, brincar e amar, mas amar verdadeiramente, com entrega total, inteira, sem repartes. Eu trago boas novas, meus amigos! É que hoje vi uma criança desprovida de quase todos os paramentos das "boas classes" sociais com um conjunto de lápis de cor e uma folha de papel em branco nas mãos. Ela desenhava, com a sua imaginação operante e criativa, um desses "Mundos" de que tanto tenho falado. É a prova mais cabal da veracidade de minhas palavras. Eu peço que acreditem no que eu digo, ao menos uma vez. Façam as experiências que venho recomendando, depois me mostrem os resultados. Eu tenho certeza que serão positivos. Não vacilem! Por favor, não vacilem! O remédio está aí, na sua frente. O desenho dos "Mundos", todos são capazes de fazer. Cada um com uma tonalidade, um traço diferente e original. Cada mão com o seu pincel, o seu lápis, a sua caneta, a sua expressão. Porém, antes disso, procurem as cordas e os lugares mais exclusos, ermos. Adentre pelo matagais mais densos. Fujam dos vergéis, não cultivem os vergéis. Os jardins são metáforas da morte, sempre irônicos e sarcásticos. Como diria Goethe, "as flores da vida não passam de ilusões". Vá! Siga! Ande! Não olhe para trás! Só o passado sólido é válido. O restante é volátil, desmancha-se no ar feito bolha de sabão, e se perde. Estás perdido? Continuas perdido? Ache-se! Ache-se! Ache-se!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

A criança


Por Germano Xavier

Ontem,
a mim cabia
a felicidade.
A essência do corpo,
da alma,
do mundo.

Eu era criança,
que um dia
correu,
pulou,
gritou
de alegria.

Mas esse tempo
não volta,
jamais retorna
ao ponto
de onde parou.

Quem dera!,
ter em mente
aquele gozo
descrente
de todo ódio e caos.
Quem dera!,
ainda ser
aquele pingo de gente,
de sorriso estridente,
sem mágoas
e de paz.

Quisera o homem,
que hoje se faz,
não ter o desgosto
de já ser
criatura incapaz
de enxergar
um tesouro
num simples
papel em branco
pronto ao riscar.

Despediu-se, de mim,
aquela figura
criança,
moleque,
de brilho no olhar.

Foi-se tão rápida,
de vez,
que às vezes,
por vez,
sinto nunca ter sido
tal ente querido
que imaginei.
Mas sei que fui
e que, agora,
não sou mais.

Quem dera!,
ter em mente
aquele gozo
descrente
de todo ódio e caos.
Quem dera!,
ainda ter
aquele sorriso sincero
e ser
aquele pingo de gente,
de corpo,
de alma,
de mente,
sem mágoas
e de paz.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Flor de Narciso



Por Germano Xavier

Ela se apaixonou perdidamente. Ela se apaixonou perdidamente por um alguém perdidamente apaixonado. Punida, ela perdeu a fala. Perdeu sua voz, perdeu o seu "self" corporal. Ela, aos poucos, foi perdendo a força de amar, pois não fora mais ouvida, por ninguém, nem pelo coração de seu amado, amado pelo destino pueril de amar. Ela, em seu estado pathos de amar, não desejou sofrer de amor, dor doída dor. Quis ela amar o amor, amado amante. Amou profundamente, profunda-mente, o senhor do amor. Sofreu profundamente, profunda-mente, sua dor. Ela, rejeitada, morreu de amar o amor. Morreu, caiu perturbadoramente sobre o duro regolito do "não", do não-ser o deveras quisto, para si. Humano-mito, morreu como morrem muitos, como morrem amores, como se arruínam amares, como morrem amantes... Morreu de morrer de amor, de morrer de amar, perdidamente apaixonada por um alguém perdidamente apaixonado. Assim, Eco, Narciso virou flor.