terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Silêncios de ouro

*
Por Germano Xavier


O sangue


Suturar pétalas rasgadas
com cuidado,
mãos limpas, águas de cheiro,
dar um golpe único sem esquivo
no coração afetado

quando toda cor estiver afogada
em socorros. Se a água descer
rosa,
e se não estancar sem pressa,
rogue perdão,
que todo sangue é divino.



Gianduia


Eu te prefiro.
Eu te pré-firo.
Aquele gosto gostoso é acabável, não?



Telharias



#1

de encontro ao
outro topo, topas?
vai na frente e amortece.



#2

gato pingado
não pinga nem se quer
quem pode pingar é preto bichano
que sei tem preto pra valer



#3

quem tem medo do escuro sabe
que o branco é todo paz



#4


A Jimi Hendrix


no dia em que comemos churros juntos
ou no dia da abobrinha requentada
ou na hora do adeus do tio chato
ou no riso sobre a voz do cantor brega
ou na fatia do bolo xadrez com cascas emboloradas
ou no alfarrábio raro do teu pai repleto de quetichupe
ou no viaduto sobre uma flor nauseada
que dia beijamos o céu? 



* Imagem: Deviantart.